© Alípio Padilha

DENTRO DO CORAÇÃO - 2019

Um dia a minha filha de três anos perguntou-me: “Mãe, o que é que há dentro do coração?”. Passei os dois dias seguintes a tentar formular uma resposta, não queria dizer-lhe apenas: “Elisa, o coração é um músculo! Um músculo que bombeia sangue para todo o corpo e que dentro tem quatro válvulas que regulam a passagem do sangue entre as suas cavidades. Existe uma válvula entre cada aurícula e ventrículo e uma válvula à saída de cada ventrículo. As válvulas entre as aurículas e os ventrículos são denominadas válvulas auriculoventriculares. E é isto, é isto que há dentro do coração.” Os meus lábios tremiam ao imaginar a cara dela ao ouvir esta resposta, uma expressão de desilusão profundo cobrir-lhe-ia o rosto. Tinha que ser mais complexo, parecia-me uma resposta demasiado simples, reduzir o coração a uma parte do corpo, um músculo, que coisa mais sem graça. E o amor? A poesia? O sofrimento? A dor? Essas coisas também estão dentro do coração, não estão? Ao fim do segundo dia tentando formular uma resposta, a única coisa que consegui foi acoplar mais perguntas, reflexões e questões à pergunta que ela me tinha feito: - Então e o Cupido? As suas setas provocavam ferimentos que despertavam amor ou paixão nas suas vítimas. Era no coração que se cravavam essas setas. Depois de enviado, por Vénus sua mãe, a Psique para que esta se apaixonasse pelo mais horrendo de todos os homens acabou por se ferir a si próprio apaixonando-se loucamente por Psique. - E a Branca de Neve a quem um caçador teria que tirar o coração como prova de morte da donzela mais bela de todo o reino? Não conseguiu, em vez do dela levou à rainha um coração de porco. - E o coração roubado, oferecido, comido, pedido, ferido, emprestado, prometido, dado, partido ao meio ou em bocados? É só um músculo que bombeia sangue? Como raio é que um músculo deu azo a tantas histórias de amor, de vingança, de inveja e ciúme tórrido, de dor, angústia e desejo?

Direção Artística - Márcia Lança
Cocriação e Performance - Ana Madureira
Apoio Dramatúrgico - Carolina Campos
Desenho de luz - Daniel Worm
Direção Técnica - Santiago Tricot 
Cenário - Rita Carmo 
Música - Vahan Kerovpyan
Figurino - Ainhoa Vidal
Direção de Produção - Lysandra Domingues
Direção de Produção de Estreia - Daniela Ribeiro
Produção Executiva de Estreia - Liliana Baroni
Produção VAGAR - Associação Cultural
Co-produção - Comédias do Minho, LUCA | Teatro Luís de Camões
Apoio à Criação - Companhia Olga Roriz, Estúdios Victor Córdon, Largo Residências, Polo Cultural Gaivotas, | BOAVISTA
Apoio - FIEQUIMETAL / CGTP-IN

 

Agradecimentos - Alex Cassal, Ana Rita Teodoro, António Lança, Aram e Virginia Kerovpyan, Bárbara Falcão, Blaise Powell, Cátia Santos, Daniela Ribeiro, Família Madureira Milhero, Félix Magalhães, Elisa e Guiomar, Gabriela Salhe, Gonçalo Antunes, Helena e Maria Nvart, Jaime Mears, Joana Pessoa, Jorge Rodrigues, Luzia Vital, Manuel Martins, Miguel Mendes, Natália Neto, Nuno Lucas, Pedro Fabião e Samuel, Tasso Adamopoulos

12 OCT' 19 . Lisboa - LU.CA