logovagar1.png
WhatsApp Image 2021-01-14 at 12.45.30 PM

VAGAR

A VAGAR Associação Cultural é criada em Março de 2008 com o intuito de levar a cabo projectos de investigação e criação na área das artes. Ainda nesse ano acompanha a digressão do solo "dos joelhos para baixo" de Márcia Lança, espetáculo vencedor do prémio Jovens Artistas Jovens organizado pelo CCB e 14 outros parceiros nacionais. Em 2009 produz "MORNING SUN" com direcção de Márcia Lança e cocriação de João Calixto. Em 2011 produz "Trompe le Monde", a nova criação de Márcia Lança & Nuno Lucas com estreia em Janeiro de 2011 no Grande Auditório da Culturgest. Ainda em 2011, em coprodução com o Festival Temps d’Images e o Teatro Maria Matos produz "O Desejo Ignorante" de Márcia Lança com Aniol Busquets (performance) e Tiago Hespanha (vídeo). Em 2012 apoia o projeto de investigação e criação "Mecânica" de João Calixto e Márcia Lança, em parceria com a Fosso de Orquestra de onde saem dois espetáculos: "Mecânica 1" e "Mecânica 2", apresentados em Lisboa, Porto e Vanves. Em 2012 participa no projeto DESCAMPADO, que propõe uma desaceleração prática da produção artística, com os coreógrafos Ibon Salvador, Luciana Chiegerati, Sílvia Pinto Coelho e Márcia Lança. Produz, desde 2012 "Calma Baby" um projeto de performance musical, uma linguagem chamada Process Specific Work, apresentado em Marselha e Oslo. Em 2013 estreia "9 Possible Portraits" no Festival Spielart em Munique com criação de Márcia Lança e Ana Rita Teodoro. Em 2014 estreia no Negócio - ZDB, "Evidências Suficientes para a Não Coerência do Mundo", uma criação colectiva assinada por Márcia Lança. Nesse mesmo ano leva a cena no Teatro Nacional de Riga, na Letónia, "Happiness and Misery" uma criação de Márcia Lança em parceria com Joana Pupo e João Calixto, que estreia em Outubro. Em 2016 estreia a sua primeira produção para a infância com "Por Esse Mundo Fora" de Nuno Lucas e Márcia Lança com estreia no Teatro Maria Matos e digressão em França, Portugal e Espanha. Em Maio de 2017 estreia no Negócio|ZDB a cocriação NOME de Carolina Campos & Márcia Lança, apresentada em Portugal, Espanha, Brasil e Argentina. Em 2019 estreia no Teatro LU.CA em Lisboa a segunda produção para crianças Dentro do Coração, já com digressão marcada para Aveiro, Guimarães, Viseu, Minho.

MARCIA LANÇA

1982, Beja (PT)

Em 2008 funda a VAGAR – Associação Cultural da qual é diretora artística.

Em 2019 estreia no Teatro LU.CA em Lisboa o espectáculo para crianças Dentro do Coração. Em Maio de 2017 estreia no Negócio|ZDB a sua mais recente co-criação NOME com Carolina Campos apresentada em Portugal, Espanha, Brasil e Argentina. Em Março de 2016 estreia a sua primeira obra para crianças Por esse Mundo Fora em co-criação com Nuno Lucas, no Teatro Municipal Maria Matos em Lisboa. Em Maio de 2014 estreia Evidências Suficientes para a Não Coerência do Mundo no Negócio e encena no Teatro Nacional de Riga o espectáculo Happiness and Misery com estreia a 8 de Outubro do mesmo ano. Em 2013 estreia 9 Possible Portraits no SpielArt Festival em Munique, projecto desenvolvido na rua dentro de um contentor. Em 2012 desenvolve Mecânica, um projecto de investigação artística com João Calixto de onde resultam dois espectáculos: Mecânica 1 e Mecânica 2. Em Novembro de 2011 estreia O Desejo Ignorante, com Aniol Busquets e Tiago Hespanha, no Teatro Maria Matos em Lisboa, no quadro do Festival Temps d’Images. Trompe le Monde a sua terceira criação conjunta com Nuno Lucas estreia na Culturgest em Janeiro de 2011. Em Maio de 2009 estreia a sua segunda criação Morning Sun no Tempo – Teatro Municipal de Portimão. Morning Sun é apresentado em Itália, França e Portugal. No mesmo ano é intérprete e co-criadora de West Coast com direcção de Ruben Soares (TRUTA) com estreia em Lagoa e reposição no CCB em Lisboa.

Em 2006 recebe o primeiro prémio do Programa Jovens Artistas Jovens com o solo Dos joelhos para baixo. O solo foi apresentado em Itália, França, Portugal e Tunísia.

Destaca o trabalho de intérprete e colaboradora com os artistas João Fiadeiro (Existência, Para onde vai a luz quando se apaga?, O que fazer daqui para trás e De perto uma pedra), Cláudia Dias (co-criação de 3 Figuras do Excesso, colaboração em Visita Guiada e interpretação em Das coisas nascem coisas), Sónia Baptista (co-criação em Triste in English from Spanish), Alex Cassal (interpretação em T-Rex, direcção de movimento em Um tigre-lírio é difícil de encontrar e em Morrer no Teatro), Miguel Castro Caldas (criação e interpretação em Enseada).

Colaborou em 2005/06 com Olga Mesa no Pôle Sud em Estrasburgo. Foi também assistente dramatúrgica no solo “UM SÓ” de Karenina de los Santos com estreia no Alkantara Festival em Maio de 2010. Trabalha regularmente com a artista plástica italiana Marta Dell’Angelo e com o músico e performer norueguês Jørgen Knudsen em cidades como Milão, Bologna, Lisboa, Marselha e Oslo.

Em 2002 interpreta e cria, em colaboração com Ana Fernandes e Ana Rita Teodoro, o trio Uma saia para três mulheres no contexto da comemoração dos 50 anos do Hospital Júlio de Matos (Pavilhão 21C).

Inicia a sua formação em Artes do Espectáculo no Chapitô (1999/02). Da formação em dança destaca ex.e.r.ce 05 no CCN de Montpellier, o curso básico de Análise do Movimento, pelo IAM (2004), o Curso de Dança Contemporânea e Pesquisa de Movimento na SNDO de Amesterdão (2003), o Curso de Pesquisa e Criação Coreográfica no Fórum-Dança (2002) e a formação contínua no C.E.M. (2001/04).

Dos formadores em dança e performance destaca Xavier le Roy, Thierry Bae, Sofia Neuparth, Vera Mantero, Francisco Camacho, Loic Touzé, Joan Casellas, Emmanuelle Huynh, entre outros. Estudou Voz no Conservatório Regional do Baixo Alentejo (1998/99) e desenvolveu composição vocal com Francisco D’Orey, Catherine Rey, Meredith Monk e Lúcia Lemos.

Em 2012 participa nos projectos europeus: TryAngle Marseille – Performing Arts Research Laboratories e Global City - Local City organizado pela rede Theatre / Festivals in Transition (FIT).