trigre lirio©ALIPIOPADILHA.jpg

UM TÍGRE-LÍRIO É DIFICIL DE ENCONTRAR - 2018

Dois rapazes e duas raparigas fogem para a floresta. A floresta! Lugar de mistério e encantamento, descanso e aventura, jogos e armadilhas. Nas suas trilhas sinuosas, pode-se dar de caras com um duende ou uma rainha disfarçada de pirata, um animal selvagem ou um actor a ensaiar distraidamente as falas do seu papel. A floresta é o território de seres que vivem entre mundos diferentes e nunca serão capturados, como esta perigosa fera feita de imaginação e garras: o Tigre-Lírio.

 

UM TIGRE-LÍRIO É DIFÍCIL DE ENCONTRAR é um espectáculo sobre a infância, a imaginação e o teatro. Os habitantes desta floresta podem passar sem transição de um estado a outro, de uma personagem a outra, da ficção à realidade, do quotidiano ao impossível. Imaginamos um espectáculo como uma espécie de ser híbrido que muda de forma, cresce para fora do palco e ameaça até engolir a plateia inteira. Queremos que os espectadores saiam do teatro a pensar: “Isto aconteceu mesmo ou eu sonhei?”.

 

dramaturgia e encenação Alex Cassal criadores-intérpretes Alfredo Martins, Binete Undonque, Crista Alfaiate e Daniel Pizamiglio assistente de encenação Keli Freitas assistente de dramaturgia Joana Frazão direcção de movimento Márcia Lança desenho de luz Tomás Ribas cenografia Aurora dos Campos figurinos Ana Carolina Lopes assistente de cenografia Saulo Santos fotografia Alípio Padilha produção executiva Daniela Ribeiro e Paula Diogo encomenda LU.CA – Teatro Luís de Camões uma produção Má-Criação

 

apoio à criação Museus da Universidade de Lisboa – Jardim Botânico Tropical, Direcção Municipal da Estrutura Verde, Ambiente e Energia – Divisão de Espaços Verdes